(11) 99557-0423
(11) 2898-9756
Artigos
Dedo em gatilho
07
Dez
2017
Dedo em gatilho

Dedo em gatilho

Tenossinovite estenosante (Dedo em gatilho)

O que é?

A tenossinovite estenosante, normalmente conhecida por dedo em gatilho, envolve os tendões e polias dos tendões flexores dos dedos da mão. Os tendões funcionam como longas cordas desde os músculos no antebraço e passando através dum túnel, de base óssea e teto de tecido fibroso, até atingirem os dedos. Dentro do túnel os tendões estão envoltos numa película que permite o deslizamento fácil dentro da bainha e polias.
 

O dedo em gatilho acontece quando o tendão desenvolve um nódulo ou edema da película envolvente. Quando o tendão edemacia, aumenta de volume, e tem de roçar na entrada do túnel (bainha do tendão flexor), o que provoca dor, ressalto e sensação de prisão no dedo. Quando o tendão roça na bainha produz-se mais inflamação e mais edema. Isto provoca um ciclo vicioso entre o gatilho, inflamação e edema, o que leva em alguns casos a um bloqueio, não sendo possível dobrar ou esticar o dedo envolvido.

 

Causa

As causas para o aparecimento do dedo em gatilho não estão totalmente esclarecidas. Um traumatismo da palma da mão pode provocar irritação dos tendões flexores. Algumas doenças como a artrite reumatóide, a gota e a diabetes estão associadas com o aparecimento de dedo em gatilho.

 

Sinais e Sintomas

O dedo em gatilho pode iniciar-se como um ligeiro desconforto sentido na base do dedo. Um espessamento pode ser sentido nessa zona. Quando o dedo começa a ficar bloqueado e a provocar o ressalto ou gatilho, o problema poderá parecer na articulação interfalângica próximal do dedo.

 

Tratamento não Cirúrgico

O objectivo do tratamento do dedo em gatilho é eliminar o ressalto ou prisão e permitir o movimento total do dedo sem dor ou desconforto. O edema à volta do tendão flexor e da bainha deve ser reduzido para permitir o deslizamento suave do tendão. O uso de uma tala ou a toma de anti-inflamatórios orais ou injectados na zona à volta do tendão podem estar indicados para diminuir o edema. O tratamento pode também implicar uma mudança de actividade para diminuir o traumatismo directo.

 

Tratamento Cirúrgico

Se as formas não cirúrgicas de tratamento não melhorarem os sintomas, a cirurgia poderá estar indicada. Esta cirurgia será efectuada em sistema ambulatório, podendo a anestesia ser local, loco-regional (em que só o braço fica anestesiado) ou geral.
O tratamento consiste na abertura da polia próximal e na bainha do tendão e eventualmente na excisão longitudinal parcial de um dos tendões flexores, normalmente o superficial.
A mobilização activa do dedo começa geralmente no pós-operatório imediato e a utilização normal do dedo pode recomeçar assim que a ausência de queixas o permita.

Comente essa publicação

Comentários

David

06.02.17

ok